Quem Sou

Sou matemática e filósofa, professora da UFRJ desde 1995. Mãe do Matias, de 11 anos, filha de Tânia Marins Roque e Lincon Bicalho Roque, assassinado pela Ditadura em 1973. Minha trajetória começa na luta por Justiça, Memória e Verdade no Tortura Nunca Mais. No Congresso Nacional seguirei na causa dos Direitos Humanos e de defesa da democracia.

Sempre lutei pela ampliação da universidade. Nos anos 1990, ajudei na criação da licenciatura noturna em Matemática, crucial para o estudante trabalhador. Participei da formação de professores da rede pública em cursos como o do IMPA sobre história da matemática (escrevi um livro, vencedor do Jabuti, sobre esse tema) e no programa Pró-Letramento, do governo Lula, contra o analfabetismo funcional em português e matemática. Defendi as cotas raciais e a expansão da universidade pelo Reuni.

Meu mandato de deputada terá como principal êxito político a defesa da Educação e da Saúde Pública e de Qualidade em todos os níveis, também do investimento em Ciência, Tecnologia e Inovação. Por isso, a derrubada da PEC do Teto de Gastos será sua prioridade número 1!

Durante os governos Lula, fiz parte de redes de ativistas que buscaram entender as novas personagens políticas – movimento feminista, movimento negro, da cultura com os Pontos de Cultura, juventude e também as mudanças no mundo do trabalho. Dessa reflexão emerge a defesa da Renda Universal como proposta de um novo tipo de proteção social.

Em 2015, fui eleita presidenta do sindicato docente da UFRJ para renovar as práticas sindicais, ampliar a democracia, a escuta da base e as formas de luta sindical. As campanhas em defesa de pautas específicas e em parceria com sociedades científicas sintetizam esse projeto: em 2015, contra a PEC do Teto de Gastos, a PEC do Fim do Mundo, e outra em 2016 Contra os Cortes em Ciência e Tecnologia. Ambas tiveram sucesso em mobilizar milhares de pessoas em  passeatas, feiras de ciências, sempre com pluralidade, diversidade e criatividade.

Minha candidatura a deputada federal é continuidade desse esforço coletivo de renovar a esquerda e fortalecer a democracia. Incluir no parlamento novas representantes mulheres é fundamental e por isso defendo a Cota de 50% de mulheres nos parlamentos até 2030.