Mulheres na Ciência

2 de janeiro de 2018

fiocruz-fundacao-oswaldo-cruz

“É impossível não perceber o paralelismo com o confinamento das mulheres à vida privada, já não tão “natural” a partir do século 19, como Virginia Wolf descreve

de modo avassalador em Three Guineas. Em 1938, pediram que ela assinasse um manifesto contra a guerra, que trazia argumentos em favor da cultura e da liberdade intelectual. Mas que ideia era essa de cultura e liberdade intelectual construída com o sacrifício das mulheres? Na Inglaterra, havia um fundo financeiro para ajudar os filhos dos chamados “homens cultos” a frequentarem a universidade. Sem poder investir com dinheiro, as mulheres tinham que contribuir com trabalho para que seus irmãos homens fossem à universidade. “Tudo de grande que havia na Inglaterra tinha sido construído para os homens. As mulheres tinham passado suas camisas, preparado suas refeições e costurado em seu canto para tornar tudo aquilo possível. Por isso, o que parecia impressionante e grandioso, era, ao mesmo tempo, estrangeiro e doloroso”. Virginia era educada em casa, confinada à vida privada. Por que agora, já uma escritora conhecida, iria “cerrar fileira com os homens cultos”? Ela se recusa a assinar a carta.”

Entrevista no Portal da Fiocruz